Tá chegando a hora? Quando e como os quatro principais reforços do Corinthians podem jogar juntos

34
Renato Augusto explica decisão de voltar ao Corinthians: ‘Vim para fazer uma nova história’
Renato Augusto explica decisão de voltar ao Corinthians: ‘Vim para fazer uma nova história’
Publicidade

GE.GLOBO: O Corinthians entra em campo só na noite de terça-feira, contra o Juventude, mas a ansiedade da Fiel pela presença dos principais reforços resulta em algumas perguntas. Afinal, quando o quarteto formato por Giuliano, Renato Augusto, Willian e Róger Guedes vai jogar junto? Qual a condição física de cada um? E como encaixá-los no time? O ge responde abaixo.

A situação de cada um

 

Publicidade

É importante salientar que cada um está em um estágio diferente na preparação física. Giuliano é o mais adaptado dos quatro. O meia emendou uma sequência como titular desde a estreia, contra o Santos, e já tem condições de atuar 90 minutos. Deve começar jogando terça, às 21h30, contra o Juventude, na Neo Química Arena, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Já o também meia Renato Augusto vem entrando aos poucos no time, como o próprio jogador havia avisado em sua apresentação. Em três jogos, atuou por 32, 25 e 32 minutos, totalizando 89 minutos em campo desde o retorno. Não há previsão de quando poderá jogar uma partida inteira.

Já Willian teve três dias de trabalho no Corinthians. Primeiro, na quinta, fez testes físicos. Depois, na sexta, participou do aquecimento com o grupo e fez alguns trabalhos específicos com a preparação física. No sábado, já treinou normalmente com o elenco.

Na última quinta, durante evento de aniversário do clube, Willian comentou rapidamente que precisaria de alguns dias para estar apto fisicamente. Seu último jogo, pelo Arsenal, foi em 19 de maio deste ano, ainda válido pela temporada passada. Há chances de ele ser relacionado para o duelo de terça.

Por fim, Róger Guedes vem trabalhando normalmente no CT Joaquim Grava com o grupo e disse estar muito ansioso por sua estreia. Durante sua coletiva de apresentação, citou que pode jogar na terça, seja por cinco ou por 90 minutos, como Sylvinho quiser.

A situação do quarteto:

  • Giuliano: estreou contra o Santos, em 8 de agosto, e foi titular nas quatro partidas desde então. Na última, a vitória de 1 a 0 sobre o Grêmio, pela primeira vez ficou em campo o jogo inteiro pelo Corinthians. Será titular contra o Juventude.
  • Renato Augusto: estreou contra o Ceará, em 15 de agosto, e também jogou as duas partidas seguintes, contra Athletico e Grêmio, sempre entrando no segundo tempo. Ainda não deve começar como titular.
  • Róger Guedes: não joga há cerca de nove meses, mas diz que está em condições de atuar. Tem chances de jogar ao menos parte da partida de terça.
  • Willian: realizou três treinamentos, o último com bola, de forma integral. Tem chances de ser relacionado para o jogo desta terça.

    Como encaixá-los?

     

    A expectativa da torcida é ver o quanto antes os quatro em campo, jogando juntos, algo totalmente viável para Sylvinho, já que no esquema tático preferido do técnico (4-1-4-1) cada um ocuparia uma função específica.

    Pensando na escalação que mais vem sendo usada por Sylvinho, Roni e Adson, que atualmente está lesionado, perderiam a vaga. Também sairia do time Gustavo Mosquito, um dos xodós da Fiel. Willian chegaria para ocupar possivelmente a ponta direita, e Róger Guedes a ponta esquerda.

    Há quem cogite escalar Róger como centroavante ou falso 9. Em sua apresentação, o camisa 123 disse que pode jogar assim, o que tiraria a vaga de Jô, mas que se sente mais à vontade em sua posição de origem, a ponta, ou, principalmente, jogando solto à frente.

    A tendência é que quando o quarteto estiver apto a jogar, o Corinthians vá a campo com: Cássio; Fagner, João Victor, Gil e Fábio Santos; Gabriel; Willian, Giuliano, Renato Augusto e Róger Guedes; Jô.

    Opinião

     

    A comentarista Ana Thaís Matos analisou o Corinthians com os reforços. Confira abaixo:

    “Os quatro contratados pelo Corinthians colocam o time num novo patamar dentro da expectativa do próprio time na temporada.

    Renato Augusto + Giuliano são para mim fios condutores do jogo. Retomam o que o Corinthians já fez em 2015 com Jadson e também Renato, embora Giuliano tenha outra dinâmica. Porém, o time passa a ter duas opções de forma de jogar: com a bola, formando um meio campo dinâmico, tirando a saída de bola dos pés do Gabriel e passando para o Renato e Giuliano movimentando nas costas do ataque. Já quando o Corinthians não tiver a bola, com equipes com meio-campo mais consistentes, o time passar a precisar da força da marcação no ataque, pressão na perda e recuperação rápida. E com isso pode fazer com que Giuliano ganhe ainda mais protagonismo, porque ele não precisa estar com a bola o tempo todo para encontrar um passe ou uma aproximação. Ele é dinâmico pra acelerar o jogo quando o time contra ataca.

    Willian, um atacante, pode atuar do lado direito ou esquerdo do ataque caindo por dentro também pra ajudar na criação, além é claro do ótimo poder de finalização e jogo de aproximação, seja com Jô no pivô, dando profundidade, ou até mesmo com os meias chegando na área. E isso é claro, impacta no jogo de Róger Guedes. No rival Palmeiras campeão brasileiro de 2016, ele jogou pelo lado direito formando dupla com Gabriel Jesus. Ou seja, mais um atacante pra cair do lado pra dentro da área. Ele tem muita força no arranque e velocidade, e não precisa ter espaço pra jogar, ele cria e ocupa muito bem espaço. Embora às vezes seja individualista na tomada de decisão, algo que evoluiu muito no Atletico-MG. Já no Galo evoluiu também como finalizador, porém, não joga de costas (caso precise substituir Jô ou algo assim). Num mundo ideal, Willian, Jô e Guedes formam o trio de ataque, mas Guedes vai ter que disputar no campo e na bola o lado direito do campo – que é o ponto forte do Corinthians com a ultrapassagem do Fagner, algo que o Mosquito faz muito bem.”

Publicidade