Após polêmica, patrocinador do Flamengo rebate ex-dirigente do clube

73
Após polêmica, patrocinador do Flamengo rebate ex dirigente do clube
Após polêmica, patrocinador do Flamengo rebate ex dirigente do clube
Publicidade

 

Em reunião online que deverá ocorrer nesta sexta-feira (09), o Conselho de Administração do Flamengo definirá por meio de votação sua decisão sobre a parceria do clube com a Moss Earth, empresa ligada ao mercado do crédito de carbono.

Publicidade

Com o assunto em pauta no rubro-negro, o ex-vice-presidente de finanças do Flamengo na gestão de Landim , Wallim Vasconcelos, levantou dúvidas sobre a capacidade financeira da empresa para patrocinar o Fla. A declaração foi feita em entrevista concedida ao jornalista Mauro Cezar Pereira.

“O Flamengo ultimamente tem trazido empresas inexpressivas para o clube. Teve marca de azeite, teve outra que não pagou no calção. Essa Moss tem menos de um ano […] O Flamengo tem que ter empresas grandes, valorizar o seu uniforme. Não estou criticando a Moss, que pode ter um futuro brilhante, mas hoje não é. É uma total desconhecida e está se valendo do Flamengo para pagar esse valor, o que não sei se é bom ou ruim. Espero que o Conselho Fiscal e o Financeiro avalie bem a companhia e veja se ela tem condições de pagar os R$ 3,5 milhões”, disse Wallim.

Após as afirmações feitas pelo ex-VP, o CEO da empresa em questão, Luís Felipe Adaime, se posicionou e rechaçou qualquer incapacidade de sua empresa em relação ao contrato a ser firmado com o Flamengo.

Confira a resposta na íntegra:

“Quanto a capacidade financeira da Moss Earth, fique tranquilo Sr. Wallim e rubro-negros, que a proposta da Moss Earth é de pagar R$ 3.6 milhões à vista, incluir patrocínio ao time feminino, e portanto não implica qualquer risco financeiro ao clube.

Convido o sr. Wallim ou qualquer outro rubro-negro a entrar em contato comigo e esclarecei duvidas com o maior prazer. Que não fiquem duvidas sobre a relevância global da Moss, sua capacidade financeira e/ou idoneidade.

E quanto à maneira que créditos de carbono operam e são transacionados, lhe passaram informação equivocada. Globalmente pode-se sim (e negociam amplamente) transacionar créditos de carbono no mercado secundário. Somos agentes registrados do registro global.

Quiser conhecer mais sobre a Moss e nossos sócios: metade do PIB brasileiro. Nizan Guanaes é um dos acionistas, fora Fabio Feldmann como conselheiro e The Craftory como fundo investidor. Fizemos ano passado uma das maiores captações de startup.

Finalmente, estudei em Stanford e Phillips Academy, trabalhei nos maiores bancos do mundo, como o Credit Suisse, e sou CFA (chartered financial analyst), certificação de altissíma reputação global que pouquíssimos possuem”.

Publicidade