Braz critica perseguição no Flamengo por cargo de vereador

52
Braz critica perseguição no Flamengo por cargo de vereador
Braz critica perseguição no Flamengo por cargo de vereador
Publicidade

Marcos Braz foi eleito Vereador pela cidade do Rio de Janeiro – Foto: Divulgação

UOL: Vice de futebol em uma gestão que conquistou títulos importantes no Flamengo, Marcos Braz saiu candidato a vereador nas eleições de 2020 e acabou eleito como um dos mais votados do Rio de Janeiro, o que causou críticas por parte de alguns torcedores e foi até denunciado internamente por uso do clube, processo que acabou arquivado.

Publicidade

Em entrevista a Mauro Cezar Pereira no programa Dividida, do UOL Esporte, o dirigente rebate as acusações, cita as atividades paralelas ao futebol de antecessores no cargo que ocupa e alega dedicação máxima tanto no Flamengo como na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro.

“Primeiro é o seguinte, abandonar o Flamengo de maneira nenhuma. Isso é uma piada e hoje toda vida de todo dirigente é um Big Brother, quando eu vou para algum lugar, para algum restaurante, para algum evento, todo mundo sabe. Eu fui a três eventos na minha candidatura toda, eu fui a duas feiras aqui no Rio de Janeiro, feira popular, e eu tive essa votação aí”, diz o dirigente.

“A gente teve o Wallim Vasconcellos, foi um bom vice-presidente, vice-presidente campeão da Copa do Brasil, com o título nacional, ele também tinha seus afazeres, ele era um economista, eu acho, trabalhava em um banco. A vida toda aqui nós tivemos vice-presidentes que tinham uma outra tarefa, quando chegou a minha vez, é um mimimi danado. Eu tinha sido secretário de esportes aqui no Rio há 10 anos, eu fui vice-presidente da Suderj, eu sempre tive outras tarefas aqui. Esse é o número 1. O número 2 é o seguinte, eu não posso ser julgado por ser vereador e ser vice-presidente e sim que estas duas situações podem uma interferir na outra”, completa.

Braz afirma que outras figuras dentro do Flamengo já se candidataram a cargos políticos e não sofreram as mesmas críticas que ele nas eleições do ano passado, incluindo dirigentes e até jogadores do clube.

“Em relação a usar o Flamengo, olha só, Mauro, eu te falo aqui dez outras pessoas que foram candidatas aqui no Flamengo desde os anos 1980. Eu não vou falar o nome das pessoas aqui, mas tem aí cinco, seis, sete, inclusive ex-jogadores e jamais tiveram tamanho mimimi em relação a isso aí. Então, assim, eu tenho uma consciência tranquila, eu continuo aqui”, justifica o dirigente.

“É muito pouco provável de ter um vice-presidente, pode ter mais competente, pode ser melhor do que eu, pode um monte de coisas, agora, com mais comprometimento e com mais disposição para trabalhar aqui eu acho pouco provável, até porque eu durmo tarde e acordo cedo, eu tenho uma disposição que, não estou falando de competência, não, competência cada um avalia, cada um analisa de uma maneira. Agora, eu tenho disposição e muita para trabalhar aqui no dia a dia”, conclui.

Publicidade