Clubes debatem público no Carioca com imunizados

53
Clubes debatem público no Carioca com imunizados
Clubes debatem público no Carioca com imunizados
Publicidade

Rodolfo Landim, presidente do Flamengo, e Rogério Caboclo, presidente da CBF – Foto: Lucas Figueiredo

O GLOBO: Diogo Dantas

Publicidade

Em reunião virtual com médicos dos clubes cariocas, a Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj) colocou em discussão nesta sexta-feira a realização de testes de público nos jogos do Estadual.

A ideia debatida é liberar alguns convidados de cada clube com IgG positivo para o coronavírus, ou seja, em tese imunizados, e apenas no estádio do Maracanã. Não haveria ainda pessoas do grupo de risco. O Fla-Flu da terceira rodada daria o pontapé inicial de forma oficial.

A intenção é que tudo seja colocado em prática, para quando o público for liberado pelas autoridades locais, todo o protocolo “Jogo Seguro” tenha seus procedimentos ajustados e a haja disciplina e controle maiores.

Flamengo, Vasco, Botafogo, Fluminense e os demais clubes de menor investimento aprovaram a ideia. Os clubes terão que enviar listas pessoais e intransferíveis dos convidados por partida. E posteriormente adequar seus estádios.

No jogo entre Flamengo e Nova Iguaçu, pela primeira rodada, houve relatos sobre a presença de alguns convidados. Segundo informações, 20 pessoas de cada lado nas arquibancadas.

No local, estava o presidente da Ferj, Rubens Lopes, que acompanhou o jogo e cumprimentou o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim. Na ocasião, o clube não confirmou que havia um teste e evitou falar em convidados.

Preocupação
Além dos representantes dos clubes, a Ferj também levou para a reunião virtual profissionais médicos das secretarias de saúde do Estado e do município.

A reunião vem em momento de preocupação nacional por conta da piora da pandemia do novo coronavírus no país. Até esta sexta-feira, três estaduais já haviam sido paralisados por conta de decretos estaduais: no Paraná, em Santa Catarina e no Acre.

A entidade carioca segue as diretrizes do estado. Se o governo mandar parar, vai parar. Mas reforça que e os médicos dos clubes do Rio elaboraram o protocolo Jogo Seguro, documento de biossegurança mais elogiado do país. Nele, apenas as questões sanitárias são tratadas. Qualquer decisão de cancelamento ou suspensão de partidas será determinado pelos órgãos públicos.

Publicidade