Diego Alves cita tática para “entrar na mente” em pênalti decisivo pelo Flamengo

209
Diego Alves cita tática para “entrar na mente” em pênalti decisivo pelo Flamengo
Diego Alves cita tática para “entrar na mente” em pênalti decisivo pelo Flamengo
Publicidade

Herói do Flamengo na conquista do bicampeonato da Supercopa do Brasil no domingo (11), o goleiro Diego Alves viveu um dia saboroso após ser protagonista em mais uma conquista rubro-negra.

O camisa 1, que defendeu três pênaltis na decisão contra o Palmeiras, não negou que tenha “catimbado” antes da cobrança de Danilo, que poderia ter liquidado a fatura a favor do Verdão.

Publicidade

O rubro-negro ganhou tempo antes da batida do jovem meio-campista palmeirense e diz que essa estratégia foi decisiva para que conseguisse tirar seu time de uma situação quase irreversível. “É um jogo, cada um com a sua estratégia e suas táticas. Teve muita gente que brincou que entrei na mente dele. Acho que deu certo”, disse ele ao UOL Esporte.

Para “entrar na mente” dos adversários, aliás, o experiente goleiro já tem um atalho, diga-se. Que é o seu próprio currículo. Estamos falando de alguém que pegou mais de 40% de pênaltis na carreira —pelo Flamengo, o número é menor mas ainda bastante relevante (28,2%).

Bicampeão da Supercopa, Diego se firma como um dos maiores goleiros da história rubro-negra, e não só pelo que faz na hora das penalidades. Durante o eletrizante confronto com o Palmeiras, ele fez boas defesas, em contraponto ao arqueiro palmeirense Weverton, rotineiramente convocado para a seleção brasileira.

Para se igualar a Raul Plassmann, goleiro campeão mundial pelo Fla em 1981, o jogador usa uma espécie de amuleto para dar voltas olímpicas que já lhe reservam um lugar no panteão rubro-negro. Com a camisa amarela da sorte, ele repete o ídolo na trilha das conquistas e também na moda.

“O mais importante é que nós seguimos com a fome de conquistas, pois o Flamengo vive de suas glórias. Estar na história do clube é algo muito especial. Não é uma superstição, não (camisa amarela), mas uma tradição. A amarelinha é a armadura”, festejou.

“Vivi mais um grande dia com a camisa do Flamengo. Sem dúvidas foi um dia muito especial, com muita adrenalina e mais uma conquista”, completou o jogador de 35 anos que, em 2020, teve uma complicada e longa negociação para renovar seu contrato com o clube, enquanto lidava com problemas físicos.

O vínculo tem validade até o fim desta temporada. Líderes do elenco e o técnico Rogério Ceni fizeram coro por sua permanência, enquanto o garoto Hugo Moura ganhava cartaz. Contra o Palmeiras, mostrou mais uma vez que valeu a pena —depois do bicampeonato brasileiro, da conquista da Libertadores e de outras taças.

Após mais uma volta olímpica, o elenco volta suas atenções para o tricampeonato do Carioca. Em jogo remarcado para quinta (15), o Fla encara o arquirrival Vasco, às 21h, no Maracanã.

Retirado de: UOL

Publicidade