Neto condena o Flamengo por querer volta do público: “Não tem moral pelo que aconteceu no Ninho”

208
Publicidade

UOL: O apresentador Neto, do programa “Donos da Bola”, criticou muito as atitudes do Flamengo e a vontade do time de ter público nos estádios:

“O Flamengo já não tem moral pelo o que aconteceu no Ninho do Urubu. A grandeza do Flamengo é excepcional, o torcedor é excepcional, agora vocês tão achando que vocês podem tudo? Vocês tão achando mesmo que vocês podem tudo?”

Publicidade

O apresentador também considerou o Flamengo como um time “soberbo”:

“O Flamengo já vem sendo esse time antipático, soberbo, achando que é mais do que os outros times do futebol mundial, querendo ter torcida antes, sendo que foi o primeiro time a treinar e a rede Globo foi com drone e viu”, disse Neto.

Vale lembrar que o Flamengo, desde o começo da pandemia, é o time que mais vezes tentou adiantar o retorno do público aos estádios e, inclusive, mandou jogos em outros Estados para poder ter público.

Neto aproveitou também para criticar a Prefeitura do Rio de Janeiro, que liberou o Flamengo para ter certo número de torcedores nos estádios.

“Parabéns pra prefeitura do Rio, vocês não conseguem nem ter vacina. Se não fosse o Dória dar vacina pra vocês, vocês não iam ter! É mentira minha? Não, é fato. Se o Dória não tivesse dado, vocês não teriam vacina, nem isso vocês conseguem. Tem quatro governadores presos, vocês não conseguem fazer o povo carioca ser melhor e ainda querem ter jogo de futebol com 22 ou 25 mil? Pra que isso? Qual sentido? Lá pode tudo. Quem for por estádio e morrer de covid, tô nem aí, o problema é pra quem você vai levar!”, criticou o apresentador.

O Estado do Rio de Janeiro foi considerado o atual epicentro da variante delta do coronavírus, segundo Boletim Epidemiológico do município no começo de agosto, fato que foi confirmado pelo prefeito Eduardo Paes (PSD). Neto, que é um crítico do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), também reclamou dos posicionamentos adotados pelo político nos atos antidemocráticos de 07 de setembro:

“Eu não, diga-se de passagem. Eu gosto da vida, da democracia, da raça, da religião, eu gosto de umbanda, charuto, pinga. Qual o problema? Eu gosto da Nossa Senhora de Aparecida, gosto de criança, eu não gosto de armas, de fuzil, gosto feijão, arroz, carne, peixe. Eu gosto de gente, gosto das pessoas. Eu respeito as instituições. Se eu não respeitar, como é que faz? Vou entrar e pegar uma coisa que não é minha? Não posso fazer isso como cidadão. Tem que respeitar quem está no poder, mas eu não compartilho e nunca vou compartilhar na minha vida”, finalizou Neto.

 

Publicidade