Polícia investiga possível fraude no passaporte de Pedro, do Flamengo

21
Polícia investiga possível fraude no passaporte de Pedro, do Flamengo
Polícia investiga possível fraude no passaporte de Pedro, do Flamengo
Publicidade

Pedro no Flamengo – Foto: Divulgação

GLOBO ESPORTE: A Polícia Civil do Rio investiga se o passaporte esportivo do atacante Pedro, do Flamengo, foi fraudado pelo Bangu. No mês passado, o jogador foi depor na Delegacia de Defraudações sobre o caso. Os policiais suspeitam que o clube foi inscrito no documento de forma fraudulenta. Segundo o passaporte esportivo emitido pela CBF, o atacante atuou por um ano e oito meses, de agosto de 2011 até abril de 2013, no time de Moça Bonita.

Publicidade

O documento investigado pela Polícia Civil serve de referência para o pagamento do mecanismo de solidariedade, uma espécie de gratificação criada pela Fifa para incentivar a formação de atletas. A entidade que controla o futebol no mundo estipula que 5% do valor do contrato sejam transferidos aos clubes pelos quais o atleta passou nas categorias de base.

Em 2019, o atacante foi negociado pelo Fluminense para a Fiorentina. O time italiano pagou cerca de R$ 58 milhões por 80% dos direitos econômicos do atleta. Nesta negociação, o Bangu recebeu cerca de R$ 200 mil. Depois, no ano passado, o atacante foi emprestado ao Flamengo e, neste ano, negociado de forma definitiva ao clube da Gávea.

Na delegacia, Pedro negou que tenha jogado pelo Bangu. Em outro depoimento, a mãe do atleta disse o mesmo. Pedro disse que fez testes no clube em 2011 numa praça no bairro de Bangu. Já o presidente do clube, Jorge Varela, alega que o jogador teve vínculo com o clube durante esse período e apresentou uma súmula de uma suposta partida do atacante em 2011. Diante da negativa de Pedro, o documento será periciado nos próximos dias.

Em nota, a CBF disse que os passaportes esportivos dos atletas são emitidos com base nas informações enviadas pelas federações estaduais. Já a Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) informou, em nota, que no caso do atacante Pedro foram cumpridos os mesmos procedimentos desportivos estabelecidos por entidades superiores e esclarece ainda que a documentação foi registrada e publicada desde 2011 na entidade e na CBF.

Publicidade