[Casagrande] Palmeiras é hoje o grande time da América do Sul

59
[Casagrande] Palmeiras é hoje o grande time da América do Sul
[Casagrande] Palmeiras é hoje o grande time da América do Sul
Publicidade

Clube parou de achar que só poderia ganhar grandes títulos comprando jogadores caros e viu que a solução estava em casa

[Casagrande] Palmeiras é hoje o grande time da América do Sul
[Casagrande] Palmeiras é hoje o grande time da América do Sul
Leão, Eurico, Luiz Pereira, Alfredo e Zeca; Dudu e Ademir da Guia; Edu, Leivinha, César e Nei. Técnico: Oswaldo Brandão.

Mesmo sendo um garoto corintiano, esse foi o primeiro time que guardei na cabeça. A segunda Academia do Palmeiras jogava como música.

Publicidade

Meio de campo perfeito, um volante (Dudu) que marcava e passava bem e um gênio elegante que desfilava pelos campos (Ademir da Guia). Dois dos meus maiores ídolos jogavam na frente desse time: Leivinha e César. No banco, Oswaldo Brandão, que num primeiro momento só tive atritos, mas que me fez um dos grandes elogios da minha carreira:

– Garoto, você me lembra o Leivinha. Tente se posicionar na área sempre como ele porque fará muitos gols de cabeça.
E assim foi.

O futebol faz uns encontros em que o tempo parece parar. Quando o Palmeiras foi bicampeão brasileiro, em 1972 e 1973, eu tinha nove anos. Era muito fã do Leão, que considero o melhor goleiro brasileiro que vi jogar, e do Luiz Pereira, o melhor zagueiro que vi jogar. O tempo passou e me fez ser bicampeão paulista, em 1982 e 1983, ao lado de Leão (em 83). Em 86, joguei com Luiz Pereira no Corinthians.

Falo sobre isso porque esse foi o melhor Palmeiras que vi até hoje. Não quero comparar ao time de hoje, campeão paulista, da Libertadores e da Copa do Brasil. Um elenco forte, time competitivo, muito bem treinado pelo Abel Ferreira, que em pouco tempo conseguiu entender o que é o clube, sua vitoriosa história e como seus torcedores gostariam de ver o time jogar. Está honrando os grandes treinadores que o Verdão já teve, com um time muito prático e focado. Falhou no Mundial quando o foco diminuiu pelo cansaço, pela euforia pela Libertadores e uma certa soberba.

O lado psicológico foi muito bem trabalhado rapidamente. O Palmeiras termina a temporada como o grande time da América do Sul, sem tempo para descansar com um calendário insano e irresponsável. A temporada continua e será mais difícil se manter no topo, mas o Palmeiras está fazendo um trabalho espetacular, parou de achar que só poderia ganhar grandes títulos comprando jogadores caros e viu que a solução estava em casa.

Gabriel Menino, Patrick de Paula, Danilo, Wesley, Gabriel Veron… Isso foi uma novidade na história do clube que sempre fez grandes times e ganhou títulos com jogadores de fora. Com essa garotada ainda está o melhor goleiro brasileiro, Weverton, o melhor zagueiro, Gustavo Gómez, e um grande líder, Felipe Melo, que melhorou muito quando deu preferência para a bola do que para as pernas dos adversários.

O Palmeiras mostrou sua força. A força verde, o grande time da América do Sul.

Fonte: GloboEsporte

Publicidade