Busca do SPFC para o ataque tem Borré, Gilberto e Sasha, mas com obstáculos

17
Busca do SPFC para o ataque tem Borré, Gilberto e Sasha, mas com obstáculos
Busca do SPFC para o ataque tem Borré, Gilberto e Sasha, mas com obstáculos
Publicidade

Diretoria do São Paulo busca um centroavante no mercado da bola para reforçar o time de Hernán Crespo - Divulgação São PauloDiretoria do São Paulo busca um centroavante no mercado da bola para reforçar o time de Hernán Crespo Imagem: Divulgação São Paulo

Thiago Fernandes – Do UOL, em São Paulo

Publicidade

São Paulo está à procura de mais um centroavante para 2021. Mesmo com a boa fase de Pablo, autor de dois gols e duas assistências nas três primeiras rodadas do Paulistão, a cúpula ainda busca nomes no mercado da bola a pedido de Hernán Crespo.

A intenção é contratar um atacante de mobilidade para o setor ofensivo, que consiga fazer uma dupla versátil com Luciano no esquema tático da nova comissão técnica. Borré, do River Plate-ARG, Gilberto, do Bahia, e Eduardo Sasha, do Atlético-MG, são três nomes na lista formulada pelo departamento de futebol. O problema? Os três são tratados pela diretoria como alvos de difícil acerto.

De todo modo, recorremos ao nosso colunista Rodrigo Coutinho, jornalista e analista de desempenho, para entender como cada um deles poderia se encaixar no time de Crespo. E explicamos também as dificuldades que cercam as negociações:

Borré

Rafael Santos Borré, do River Plate-ARG, agrada ao São Paulo no mercado da bola - Staff Images/Conmebol - Staff Images/ConmebolRafael Santos Borré, do River Plate-ARG, agrada ao São Paulo no mercado da bola Imagem: Staff Images/Conmebol

O atacante colombiano do River Plate-ARG é o predileto da comissão técnica para o setor ofensivo. O bom futebol apresentado no time do Monumental de Ñúnez agrada a Hernán Crespo, que já deixou claro que gostaria de contar com o jogador de 25 anos. A cúpula até fez uma oferta por Borré, mas os valores pretendidos por ele e a proposta apresentada pelo Palmeiras o afastam do Tricolor paulista.

O jogador quer receber US$ 4,8 milhões (cerca de R$ 27,85 milhões) como luvas para assinar com outro clube a partir de julho, quando se encerra seu contrato na Argentina. Ele ainda pediu US$ 2 milhões (R$ 11,6 milhões) livres de impostos ao ano como salário.

Análise de Rodrigo Coutinho: “O Borré, vamos dizer, é o intermediário entre o Sasha e o Gilberto. É um jogador muito mais de atacar espaço. Ele não é um 9 típico, é muito parecido com os atacantes brasileiros da década de 1990, no estilo do Gabigol. É um cara que fica circulando no ataque, gera espaços para ele atacar. Não sei se encaixaria tão bem, mas é bom jogador. O desempenho, talvez, fosse melhor pela questão técnica que a questão tática”,

Gilberto

Gilberto, centroavante do Bahia, é um nome que agrada à diretoria do São Paulo - Jorge Rodrigues/AGIF - Jorge Rodrigues/AGIFGilberto, centroavante do Bahia, é um nome que agrada à diretoria do São Paulo Imagem: Jorge Rodrigues/AGIF

O atacante Gilberto, que já teve uma passagem pelo São Paulo entre 2016 e 2017, foi cogitado ainda no fim do ano passado, logo após a eleição de Julio Casares como presidente do clube. A diretoria chegou a fazer uma consulta ao seu estafe, liderado pelo agente Bruno Paiva. Contudo, emperrou na possível liberação do Bahia. O clube, o qual ele defende desde 2018 e tem vínculo até o fim de 2021, não pretende liberá-lo no mercado da bola. O mais provável é que o centroavante de 31 anos siga na equipe de Salvador nesta temporada.

Análise de Rodrigo Coutinho: “O Gilberto já seria esse cara, que é mais de área mesmo. Não é um jogador que fica tão parado, mas se movimenta em uma região mais restrita do campo. Ele faz diagonais curtas entre os zagueiros, serve para contra-ataque, joga bem em contra-ataque também. Ele precisa melhorar um pouco a finalização, perde muito gol, mas faz muito gol também, porque se mexe muito. É um cara sempre presente ali. Ele se mexe a todo momento no centro da área. Ele talvez fosse o cara que, dentro do modelo de jogo do São Paulo, se encaixaria melhor. O São Paulo vem jogando num ataque posicional, em que cada jogador obedece uma posição no gramado. Ele se encaixa muito bem nisso.”

Sasha

Eduardo Sasha, do Atlético-MG, é avaliado nos bastidores do São Paulo - Alessandra Torres/AGIF - Alessandra Torres/AGIFEduardo Sasha, do Atlético-MG, é avaliado nos bastidores do São Paulo Imagem: Alessandra Torres/AGIF

Hoje no Atlético-MG, Eduardo Sasha é um nome que agrada à diretoria e à comissão técnica do São Paulo. O atleta de 29 anos é monitorado, mas o clube ainda não abriu conversas com o Galo. Corre no mercado a informação de que, para fazer negócio, os mineiros querem receber muito mais do que pagaram pelo jogador. O Galo desembolsou 1,5 milhão de euros (R$ 9,51 milhões à época) pela aquisição de Sasha, que tem contrato até julho de 2024.

Análise de Rodrigo Coutinho: “O Eduardo Sasha é um centroavante que, na realidade, não é um centroavante. A origem dele não é essa. É um jogador de lado de campo que se encontrou jogando como falso 9, tentando se movimentar nas costas dos volantes, sem tanta presença de área. É algo que o Luciano faz. Se a ideia é contratar um camisa 9, acho que o Sasha não se encaixa tanto.”

Publicidade