Como foi o lobby de federações, clubes e TVs para manter o futebol em SP

4
Como foi o lobby de federações, clubes e TVs para manter o futebol em SP
Como foi o lobby de federações, clubes e TVs para manter o futebol em SP
Publicidade
Como foi o lobby de federações, clubes e TVs para manter o futebol em SP
Como foi o lobby de federações, clubes e TVs para manter o futebol em SP

A reunião realizada na manhã de hoje (10) entre Ministério Público, Governo do Estado de São Paulo e Federação Paulista de Futebol (FPF) terminou sem nenhuma mudança no cenário do futebol paulista. Ao menos por enquanto. Essa vai ser uma situação que será avaliada dia a dia e pode mudar de acordo com a pressão pública.

João Dória deixou avisado que não há prazo para que a sua decisão mude e pediu que todos ficassem de sobreaviso. Foi isso também o que disse o coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo, Paulo Menezes, na coletiva de imprensa ao lado do governador.

Publicidade

No encontro mais cedo entre eles, a FPF mostrou todo o investimento que faz em protocolos de segurança, testes e ressaltou que quase não há casos graves no que passou a ser chamado “bolha do futebol”.

O Governo sofre uma pressão por conta dos recordes de mortes e infectados pela covid-19 registrados no Estado e cogitou uma paralisação em conversas feitas ontem (9), especialmente após a recomendação do Ministério Público. Mas a pressão pela manutenção do futebol funcionou. Mais uma vez: ao menos por enquanto.

Nos últimos dias, com a crise do sistema de saúde, clubes, federações e até televisões passaram a fazer lobby para que a bola continuasse rolando. A maior parte deles evita falar disso publicamente, mas o entendimento é que há a segurança necessária para que a competição não pare, e a crise financeira dos times não se agrave.

Quase todas as equipes ainda não se recuperaram nem mesmo dos primeiros meses de paralisação e sofrem até hoje com pagamentos atrasados por causa das dificuldades de fluxo de caixa com receitas que não foram depositadas por TVs e federações.

Além da questão do dinheiro, há outros pontos em aberto. Se o Governo mandar o futebol parar, isso significa que os times também não poderão treinar em seus CTs. Ou seja, as equipes precisariam de vários dias para voltarem ao ritmo de jogo antes de o Paulista recomeçar.

Sem treinos e com os estádios interditados, os times de São Paulo também seriam prejudicados para participar de outras competições que continuam normalmente, como a Libertadores e a Copa do Brasil.

E é ai que entrou o lobby feito pela CBF e um comunicado quase que conjunto com a FPF para afirmar que o futebol continuaria, com o discurso feito pelo secretário-geral da entidade, Walter Feldman. Se os times de São Paulo parassem, isso causaria efeito dominó no calendário do país inteiro.

Tanto a CBF, quanto a FPF e os clubes defendem que pelo mundo inteiro o futebol continuou mesmo em países que enfrentaram novas crises de covid-19 após a primeira paralisação. A ideia é que esse modelo seja repetido por aqui.

Leia também:

Fonte: saopaulofc.com.br/noticias/2021/03/como-foi-o-lobby-de-federacoes-clubes-e-tvs-para-manter-o-futebol-em-sp

Publicidade