Paulistão paralisado: MG vira opção de refúgio após recusa do Rio

8
Paulistão paralisado: MG vira opção de refúgio após recusa do Rio
Paulistão paralisado: MG vira opção de refúgio após recusa do Rio
Publicidade
Paulistão paralisado: MG vira opção de refúgio após recusa do Rio
Paulistão paralisado: MG vira opção de refúgio após recusa do Rio

Depois da recusa do governo do Rio de Janeiro em receber o Campeonato Paulista durante a paralisação do futebol imposta pelo governador João Dória (PSDB-SP), a Federação Paulista de Futebol (FPF) e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) já procuram outra alternativa. Autoridades de Minas Gerais e membros da Federação Mineira de Futebol (FMF) foram consultados para a possível realização de jogos do estadual e estão dispostos a recebê-lo.

Em que pese a procura na noite de ontem (11), CBF e FPF aguardam a reunião com o governo de São Paulo na próxima segunda-feira (15) para determinar seus próximos passos. Se o veto aos jogos no estado for mantido, é possível que Minas Gerais se torne a casa do Campeonato Paulista pelas próximas duas semanas. A procura por um novo local para os jogos ocorre por receio da CBF de que haja um “efeito dominó” no futebol brasileiro com sucessivas interrupções de competições

Publicidade

Copa do Brasil: Marília x Criciúma deve ser marcado em Varginha, no sul de MG

A paralisação do futebol em São Paulo deve interferir também na Copa do Brasil. O Marília estreará na competição na próxima quarta-feira (17), diante do Criciúma. O jogo, marcado para o Estádio Municipal Bento de Abreu Sampaio Vidal, no interior do estado, deve ser alterado para o estádio municipal Prefeito Dilzon Melo, em Varginha, no sul de Minas Gerais, em caso de manutenção do veto paulista por causa da evolução da pandemia do novo coronavírus. A CBF já procurou autoridades mineiras para que a partida seja recebida na semana seguinte.A distância entre Marília e Varginha é de 566 quilômetros. (Por Thiago Fernandes)

Palmeiras tem nova reunião por Borré na Argentina

Depois de uma conversa diretamente com Santos Borré na terça (9), o representante do Palmeiras na Argentina teve um encontro com os empresários do jogador, na quarta (10). O clube o enviou ao país para tentar avançar na contratação do centroavante, um sonho de Abel Ferreira, mas o estafe do atacante do River Plate (ARG) aguarda uma movimentação da cúpula palmeirense. Os agentes querem tratar diretamente com a diretoria e não com intermediários. O Verdão considera ser dono da oferta mais sedutora de Borré, com um contrato de quatro anos e um pacote de R$ 80 milhões ao longo de todo o vínculo. O colombiano tem contrato até junho com o River e deve deixar o clube. (Por Thiago Ferri)

Publicidade