São Paulo pode reclamar da arbitragem, mas não deve repetir velhos erros

14
São Paulo pode reclamar da arbitragem, mas não deve repetir velhos erros
São Paulo pode reclamar da arbitragem, mas não deve repetir velhos erros
Publicidade
FPF admite erro “claro e óbvio” em pênalti não marcado para o São Paulo contra o Novorizontino
FPF admite erro “claro e óbvio” em pênalti não marcado para o São Paulo contra o Novorizontino

André Rocha (UOL): Foi pênalti do goleiro Giovanni sobre Luciano, aos 45 minutos do jogo em Novo Horizonte. O arqueiro não visa a bola e vai direto no corpo do atacante. A árbitra de campo, Edina Alves, muito elogiada no dérbi do Paulista, errou feio ao não assinalar uma clara infração, mesmo com auxílio do VAR. Mas o São Paulo não perdeu para o Novorizontino, primeira derrota sob o comando de Hernán Crespo, por causa da arbitragem. Até porque nunca saberemos se Luciano, o provável batedor, converteria. O camisa 11, um dos artilheiros do Brasileiro, errou na penúltima rodada contra o Botafogo.

O que deveria preocupar os são-paulinos e o treinador argentino é a repetição de velhos erros, desde os tempos de Diniz. Como a falha na saída de bola antes do primeiro minuto que quase resultou em gol do time mandante. Também a posse de bola estéril do primeiro tempo. Com Luan recuado no centro do trio de zagueiros, entre Rodrigo Freitas e Bruno Alves, e contribuindo pouco com a rapidez na circulação da bola. Sem condução para atrair marcador e acionar logo o jovem Rodrigo Nestor ou Daniel Alves na construção já na intermediária.

Publicidade

Saída apenas pela direita, com Igor Vinícius e a aproximação de Gabriel Sara. Como quase sempre, o ataque só furava as linhas de marcação adversárias quando Luciano se movimentava e buscava os espaços entre a defesa e o meio-campo adversários. Muito pouco nos primeiros 45 minutos. Para piorar, a desconcentração defensiva nos acréscimos que permitiu que Cléo Silva finalizasse com liberdade e depois, mesmo adiantado, recebesse o toque de Bruno Alves para abrir o placar.

O São Paulo melhorou novamente com a entrada de João Rojas na vaga de um zagueiro – Rodrigo Freitas, desta vez. O equatoriano empatou em outra jogada pela direita, assistência de Igor Vinícius, que deve protagonizar boa disputa pela vaga na lateral/ala com Orejuela. Só precisa ajustar o posicionamento na última linha quando o time joga com quatro atrás e também o acerto no passe na saída de bola. Mas o setor esquerdo apareceu para entregar o gol que definiu os 2 a 1 para o Novorizontino: Reinaldo errou no recuo e Guilherme Queiroz chutou forte. Tiago Volpi deixou passar. Falha comprometedora e decisiva.

Foram 60% de posse, 16 finalizações, cinco chances claras na partida. Mesmo entendendo as oscilações naturais de um início de trabalho, ainda mais sem pré-temporada e agora a indefinição sobre a sequência do Paulista por conta da pandemia, o time tricolor não pode repetir erros que comprometeram a temporada 2020 e ficaram na conta de Fernando Diniz. O pênalti não marcado poderia ter evitado o revés, mas o São Paulo tinha todas as condições de ter chegado aos acréscimos com a vitória bem encaminhada. Falhou novamente.

Publicidade