Análise: Róger Guedes vai bem, mas retrospecto ruim em casa liga alerta no Corinthians

15
Corinthians 1×1 Juventude: assista ao primeiro gol de Róger Guedes com a camisa do Timão
Corinthians 1×1 Juventude: assista ao primeiro gol de Róger Guedes com a camisa do Timão
Publicidade

O Corinthians encerrou sua participação no primeiro turno do Campeonato Brasileiro com apenas duas vitórias em nove jogos disputados na Neo Química Arena. Retrospecto ruim em casa, que só não ficou pior graças a Róger Guedes, autor de um golaço na estreia, no empate por 1 a 1 com o Juventude, nesta terça-feira.

Ceará e Sport foram as duas únicas vítimas do Timão em casa. Flamengo, Atlético-MG, Red Bull Bragantino e Atlético-GO venceram. Juventude, Internacional e São Paulo empataram. Nove pontos conquistados em 27 possíveis.

Publicidade

Números que ligam o sinal de alerta em um time que vinha embalado. A invencibilidade foi mantida, mas, se o plano é brigar por uma vaga direta à Libertadores de 2022, empatar em casa pode não ser o suficiente. É preciso voltar a fazer da Arena um campo favorável.

Melhor em campo

 

Com um golaço de falta marcado na reta final da partida, Róger Guedes acabou tendo todo o seu esforço físico recompensado com uma estreia marcante. O camisa 123 atuou por todo o jogo, mesmo claramente ainda sem o ritmo ideal para isso.

Persistente, não desistiu de tentar jogadas individuais pelo lado esquerdo e nem de tentar achar Jô em boas condições na área. Driblou, sofreu faltas, finalizou… E conseguiu balançar as redes em lance de bola parada, em falta sofrida por Fábio Santos.

Fábio, inclusive, foi motivo de desgaste para o atacante, obrigado a recompor pela lateral durante boa parte do primeiro tempo, já que o Juventude descobriu ali uma fragilidade defensiva do Corinthians.

Resultado ruim?

 

Com o empate conquistado pelos pés de Róger, a invencibilidade corintiana foi mantida: agora são cinco jogos sem perder. Mas o resultado pode, sim, ser considerado ruim. Foram dez dias livres para treinos no CT Joaquim Grava e pouca intensidade apresentada em campo.

Na etapa inicial, o Corinthians se deixou dominar pelo Juventude, que adiantou sua linha de marcação e encurralou o rival no seu campo de defesa.

No papel, a escalação escolhida por Sylvinho, com Róger na vaga de Adson, ainda fora por lesão, e Renato Augusto na vaga de Roni, parecia sensacional. Na prática, custou a funcionar, muito também em função da condição física ainda não ideal de alguns jogadores.

Formação tática

 

Com Renato e Róger como caras novas no time titular, Sylvinho manteve o 4-1-4-1 e acabou de certa forma sobrecarregando Gabriel. Ainda com limitações físicas, Renato Augusto se desdobrou para ajudar na marcação, mas parecia sempre um passo atrás do rival.

O meia, inclusive, sofreu no jogo. Vítima de dois carrinhos desproporcionais e sempre cercado de rivais quando pegava a bola para tentar armar a equipe. Visão de jogo e inteligência não lhe faltam, mas a partida acabou se tornando muito complicada para ele.

Curiosamente, Roni, várias vezes contestado por parte da torcida e até mesmo pela imprensa, poderia ter dado mais equilíbrio defensivo a esse Corinthians, principalmente na etapa inicial, deixando para Renato a função de desequilibrar com todo o gás no segundo tempo.

Fragilidade detectada

 

O Corinthians do pacotão de reforços galácticos não vai se encaixar como no futebol de videogame. É preciso combinar uma série de fatores: condição física de cada uma das peças, como cada jogador vai interagir em campo com o companheiro, análise do adversário, entre outros.

No caso do duelo entre Corinthians e Juventude, o time de Caxias do Sul detectou com certa facilidade um problema no lado esquerdo da defesa corintiana e insistiu em jogadas de ataque por ali, em cima de Fábio Santos. Passe de Paulo Henrique e gol de Ricardo Bueno.

Neutralizado em saídas pelo meio e frágil na defesa, o Corinthians sucumbiu na etapa inicial. Nem mesmo Fagner, Gil e João Victor, titulares incontestáveis, fizeram bom começo de jogo.

No decorrer da partida, das cinco alterações possíveis, Sylvinho fez apenas duas, colocando Luan e Gabriel Pereira na equipe. Resta saber o que fará o treinador com mais uma semana de trabalhos pela frente.

Publicidade