Viu essa? Comentarista diz que Flamengo deveria ser a base da Seleção Brasileira: “O gol, foi um gol Flamengo”

655
Gabigol, do Flamengo, rebate provocação da torcida do Fluminense
Gabigol, do Flamengo, rebate provocação da torcida do Fluminense
Publicidade

Arnaldo Ribeiro afirma vê como saída aproveitar a movimentação e o entrosamento da base do time do Flamengo.

UOL: A vitória da seleção brasileira por 1 a 0 sobre o Chile ontem (2), em Santiago, teve um gol em jogada que começou e terminou com os pés de jogadores do Flamengo, com participação de Gabigol e finalização de Everton Ribeiro, sendo que o jogo ainda teve a presença do ex-rubro-negro Gerson no meio de campo, bem como Lucas Paquetá e Vinicius Júnior, que estavam antes da montagem do time campeão de 2019.

No podcast Posse de Bola #157, Arnaldo Ribeiro afirma que Tite não demonstra que vai modificar a forma de jogar da seleção brasileira e vê como saída aproveitar a movimentação e o entrosamento da base do time do Flamengo de 2019 para que se tenha alguma criatividade na equipe brasileira até a Copa do Mundo.

Publicidade

“Eu vi um negocinho ontem diferente, parecia uma coisa absurda, que era aventada lá em 2019, quando o Flamengo teve aquele timaço do Jorge Jesus, que era: por que não a base do Flamengo mais Neymar e Casemiro? Ontem aconteceu isso no segundo tempo. Era a base do Flamengo de 2019, mais Neymar e Casemiro. Gerson, Everton Ribeiro e Gabigol. Estava lá o Neymar no lugar do Bruno Henrique, digamos assim, o Casemiro no lugar do Arão, e o Paquetá jogou um pouco com alguns caras do Flamengo, não a base daquele time, mas jogou com o Everton Ribeiro”, afirma Arnaldo.

“O gol foi um gol Flamengo, com a participação do Neymar, também perdeu gol, mas um gol em jogadinha Flamengo, e acho que o Tite não vai conseguir, e não é por conta da qualidade dos jogadores, ele não vai conseguir, pelas ideias completamente obtusas que ele tem, fazer um time criativo e encantador, que é possível fazer. Então, que coloque a base do Flamengo de 2019, que os caras se conhecem e eles automaticamente flutuam, como foram o Gabigol e o Everton Ribeiro no gol, coloca a base do Flamengo, mais o Neymar, que o Tite ama tanto e o Casemiro”, completa.

O jornalista afirma que, diante de tantos jogadores testados no meio de campo e ataque da seleção brasileira sem êxito, a saída para Tite seria aproveitar a base que deu certo nos últimos anos atuando pelo Flamengo.

“Ele não vai conseguir fazer algo criativo com os outros jogadores, a não ser que os próprios jogadores, com o entrosamento que têm, e os do Flamengo têm, proporcionem isso. A gente viu um pouquinho, quando ele fez as alterações no intervalo eu falei ‘nossa, vai ter a base do Flamengo’, e teve a base do Flamengo. Foi brilhante? Não. Melhorou um pouquinho? Melhorou, porque tomou um sufoco do Chile no primeiro tempo, e fez um gol de uma troca de posição, de movimentos naturais que os jogadores do Flamengo fazem pelo entrosamento”, diz Arnaldo.

“Ele não vai mexer nada do meio para trás e do meio para frente ele já testou e já usou tantos jogadores, ou mal utilizou tantos jogadores desde 2018, que é melhor meter a base do Flamengo”, conclui.

Publicidade